Reportagem

Um encontro com Julian Assange na prisão

Eu só conheci Julian Assange no cárcere. Faz nove anos que eu o visito na Inglaterra, trazendo notícias e solidariedade australiana.

Quando fui a Ellingham Hall [histórica propriedade rural em Norfolk onde Assange ficou em prisão domiciliar durante dois anos], eu levei música e chocolate. Quando fui à embaixada do Equador, levei camisas de flanela, cópias de Rake, uma série de TV australiana, um pote de Wizz Fizz, uma marca australiana de sorvete, e folhas de eucalipto. Mas para o presídio de Belmarsh não se pode levar nada – nenhum presente, nenhum livro, nenhuma folha de papel.

E, depois de ter passado por lá, eu voltei para a Austrália, um país tão distante que o abandonou em quase todos os aspectos.

Ao longo dos anos, eu aprendi a não perguntar para Julian “como você está?”, porque é bem óbvio como ele está: detido, difamado, caluniado, sem liberdade, preso – em “celas” cada vez mais estreitas, frias, escuras e úmidas –, perseguido e punido por publicar informações. Aprendi a não reclamar da chuva ou comentar o lindo dia que está fazendo, porque ele não sai há tanto tempo que sentir até uma nevasca seria uma bênção. Aprendi também que não é reconfortante, mas sim cruel, falar sobre pores do sol, sobre as aves kookaburras, nativas da Austrália, ou sobre viagens de carro. Que não ajuda a assegurá-lo de que, como eu e meu cachorro, ele também encontrará rastros de animais nos parques naturais australianos quando algum dia voltar para casa, mesmo que eu pense nisso quase todos os dias.

A natureza prolongada e de crescente intensidade de seu confinamento me confronta enquanto, na primeira fila, eu espero na porta de entrada daquela prisão de tijolos marrons, no último dia 12 de setembro. No centro de visitantes, do lado oposto, cadastraram minhas digitais depois de eu ter mostrado dois comprovantes de residência diferentes e meu passaporte. Certifiquei-me de ter tirado absolutamente tudo de meus bolsos e guardei minha bolsa, ficando apenas com uma nota de 20 libras para comprar chocolate e sanduíches. Apesar do teatro de segurança que se segue, o dinheiro é roubado em algum momento durante o percurso por não menos de quatro corredores cujas portas traseiras são seladas antes que as portas dianteiras se abram, depois por um detector de metal, para em seguida ser revistada e ter minha boca e orelhas inspecionadas.

Depois de calçarem de novo os sapatos, os visitantes atravessam uma área externa e encaram a realidade da prisão: uma cerca de aço com arame farpado em lâmina de uns 4 metros de altura ao redor de toda a sua extensão. Eu me apresso até o próximo prédio e chego a uma sala onde 30 pequenas mesas estão fixadas no chão, cada uma com uma cadeira azul de plástico de frente para três cadeiras verdes.

Ele se senta em uma das cadeiras azuis.

Eu hesito agora, como sempre, em descrevê-lo. Isso também eu aprendi: é um impulso protetor contra o fascínio mórbido de alguns de seus defensores e também daqueles que apreciam seu sofrimento.

Sua saúde já estava se deteriorando seriamente quando ele deixou a embaixada. Ele confirma que ainda está na ala hospitalar, apesar de ainda não ter visto especialistas, o que é claramente necessário depois de tudo que passou. Ele explica que é transportado para dentro e para fora de sua cela, onde fica 22 horas por dia, sob um procedimento chamado de “movimentos controlados”, o que significa que a prisão é trancada e os corredores, esvaziados. Ele descreve o pátio de exercícios. Na parede se lê: “Aprecie as folhas de grama sob seus pés”; mas não há grama, apenas concreto. Não há nada verde, apenas concreto e grades no alto.

Após tão extremo isolamento e privação de companhia humana, claro que ele está feliz em ver amigos – eu não estou sozinha. Ele mascara o desconforto e se esforça, sorrindo das minhas piadas, paciente com a minha falta de jeito, acenando e me encorajando a lembrar mensagens parcialmente memorizadas. Eu me levanto para pegar comida enquanto ele coloca a conversa em dia com outro amigo. É aí que percebo que não tenho dinheiro, então volto para pegar o deles. Quando retorno para a fila, uma moça com um hijab [véu muçulmano] fala: “Ele não pertence a esse lugar. Ele não deveria estar aqui. Nós sabemos das coisas por causa dele. Ele tem muitos apoiadores na comunidade muçulmana”. Essa compreensão e a solidariedade ajudam a me acalmar depois da provação de entrar neste lugar frio; até aqui existe calor, amizade, gentileza. Fico muito agradecida àquela mulher e volto com uma bandeja de junk food para contar o que ela tinha acabado de me dizer, o que prova mais uma vez que muitas pessoas conseguem enxergar através da manipulação midiática intensiva contra Julian. E que elas têm senso de humanidade, bom senso, empatia e compaixão que penetram esse filtro.

Julian recebe duas visitas sociais por mês; a última havia sido três semanas e meia antes, por isso conversamos rápido, trocando tantas palavras, mensagens e ideias quanto possível. Nunca houve silêncios entre nós e, abastecidos apenas por café até altas horas, nós frequentemente falávamos ao mesmo tempo, um respondendo enquanto o outro falava, mas o barulho daquela sala é alto demais para isso.

Várias vezes ele precisa fechar os olhos para organizar sua linha de raciocínio, e então desatamos novamente, conscientes de que o lento tempo da prisão se acelera durante as visitas, que são muito barulhentas – outros 30 prisioneiros estão vendo seus amigos e famílias, crianças estão tentando ser ouvidas, e, presumivelmente, microfones e câmeras estão se esforçando para ouvir o que está sendo dito.

O especialista em tortura da ONU que também o visitou na prisão disse que Julian exibe efeitos de tortura psicológica prolongada. Ele tem sido torturado pela detenção indefinida, e a perspectiva de extradição para os Estados Unidos, para um julgamento espetacularizado, onde ele enfrentaria uma possível pena de 175 anos de prisão – uma pena de morte, efetivamente –, é sem dúvida uma forma de tortura.

Mesmo assim, ele me surpreende diversas vezes ao tirar o foco da conversa de si mesmo e o colocar nos princípios e implicações mais amplos do seu caso: “Não é só sobre mim, Flick; é sobre tantas pessoas, todos os jornalistas no Reino Unido. Se eu posso ser capturado, qualquer australiano trabalhando em Londres, qualquer jornalista ou editor pode ser detido simplesmente por estar fazendo seu trabalho”.

Algumas semanas antes, em um evento do Partido Verde australiano em Sydney, eu havia ficado irritada quando alguém disse algo parecido: “Não é sobre Julian; é sobre o jornalismo”. Eu respondi: “E quando vai ser sobre Julian também? Quando ele estiver morto? Quando eles o tiverem matado? Quando você acha que isso vai poder ser sobre um editor australiano que está numa prisão do Reino Unido, sendo punido pelos Estados Unidos por publicar a verdade sobre as guerras no Iraque e no Afeganistão?”.

Quando se trata de Julian, nada é normal; cada passo do processo legal e político dos últimos nove anos foi anômalo, e o contexto e pretexto também foram manipulados por um grande número de estratégias, algumas delas vazadas, para infectar e influenciar a percepção pública que se tem dele, de seu trabalho e de seus apoiadores. Isso muda radicalmente conversas normais sobre ele, mesmo com alguns de meus amigos mais cautelosos.

Eu dou um abraço de despedida em um homem muito mais magro do que aquele que eu conhecia, e uma pessoa diferente desaparece no corredor quando a visita acaba, mesmo que os nossos punhos esquerdos estejam erguidos, como sempre.

No nosso caminho de volta da visita, recebemos uma ligação para avisar que uma audiência técnica havia sido inesperadamente adiantada para o dia seguinte.

Nessa “audiência técnica”, o juiz distrital descartou preventivamente a possibilidade de fiança. Não era uma audiência sobre fiança, e os advogados de Julian nem haviam tido a possibilidade de solicitá-la, mas o juiz a descartou sem ouvir quaisquer argumentos ou fatos. Quando o juiz perguntou se ele entendeu, Julian disse: “Na verdade, não. Eu tenho certeza de que os advogados vão explicar”. Ele não entendeu porque isso é irregular, mais uma vez, mas também porque não tem acesso a documentos do tribunal e a documentos legais para ajudar a preparar seu caso.

No dia 23 de setembro, Julian completou sua sentença por violar as condições da liberdade provisória e será mantido preso apenas para que os Estados Unidos possam tentar extraditá-lo. Isso significa que ele cumpriu sentença por ter cometido o crime de solicitar e receber asilo político.

Por que querem trancafiar Assange

Fonte: Reprodução/Youtube

Neste imagem: Para especialista da ONU, Julian Assange exibe efeitos de tortura psicológica prolongada

O Equador garantiu o asilo porque era óbvio que os Estados Unidos planejavam processá-lo por suas publicações. Entre muitas outras coisas, ele está sendo processado por ter publicado o número real de civis mortos no Iraque e no Afeganistão – milhares de pessoas que foram vítimas de bombardeios, mutilações e tortura. Ele publicou também informações sobre jornalistas mortos por tropas ocidentais, incluindo José Couso, o jornalista espanhol morto no Iraque pelas tropas americanas (os espanhóis depois foram pressionados pelos Estados Unidos a não pedir uma investigação).

É por isto que eles querem trancafiar Julian: para fazer dele um exemplo, e para que possam fazer isso de novo no futuro sem ter de prestar contas.

A verdade é que Julian estava certo desde o começo. Ele buscou asilo para se proteger dessa exata situação que enfrenta agora: extradição para os EUA, para um julgamento espetacularizado e uma pena de morte de facto por publicar informações de interesse público.

A natureza extrema das acusações silenciou o ódio cáustico reservado a Julian, mas não as declarações baseadas em psicologia barata sobre sua personalidade (uma personalidade que, por acaso, eu aprecio e amo, assim como Noam Chomsky, Daniel Ellsberg, Slavoj Žižek, Patti Smith, P. J. Harvey, Scott Ludlam, Ken Loach e vários outros intelectuais e ativistas.)

Agora, o New York Times, o Washington Post, o Wall Street Journal e o Guardian fazem comentários depreciativos sobre a personalidade de Julian antes de expressar grande preocupação com as acusações às quais ele está respondendo, porque, de fato, os americanos “criminalizam práticas comuns do jornalismo”, como disse Amal Clooney, a emissária especial do Reino Unido para a liberdade de imprensa, em junho, na Conferência Global sobre Liberdade de Imprensa.

Então, finalmente, editores e jornalistas do mundo todo entendem que seus destinos estão interligados ao de Julian, para quem não há nenhuma esperança de julgamento justo nos Estados Unidos.

Ele está sendo acusado com base na Lei de Espionagem, usada pela primeira vez contra um editor, que não permite que se use como defesa o argumento de interesse público.

É por isso que o juiz britânico e a ministra do Interior não deveriam extraditar Julian Assange para os Estados Unidos.

Algumas vozes estão se levantando conforme se começa a perceber que, se essa extradição ocorrer, qualquer jornalista que cubra segurança nacional ou faça um trabalho investigativo no Reino Unido ou em qualquer outro país pode ser detido, estabelecendo um precedente terrível para todos os jornalistas e editores.

Nos Estados Unidos, o Departamento de Justiça de Trump está tentando coagir Chelsea Manning e Jeremy Hammond, duas fontes de vazamentos para o WikiLeaks, a depor contra Julian num processo secreto sem juiz – uma instituição abolida em todos os outros países, exceto na Libéria.

Apesar de eles também estarem presos indefinidamente, Manning e Hammond estão resistindo. Onde isso vai acabar? Precisa acabar com Julian saindo de Belmarsh e, depois, do aeroporto de Sydney, para que seus olhos, prejudicados por tantos anos de confinamento, possam se habituar a encontrar, aqui em casa, trilhas de vombates, marsupiais originários da Austrália, e de wallabies, animais australianos da mesma família dos cangurus, mas de menor porte.

Até que isso aconteça, precisamos continuar lutando contra sua extradição, pedindo que o Reino Unido resista e que o governo australiano traga seu cidadão e editor de volta para casa.

As acusações dos Estados Unidos contra Julian Assange e as possíveis penas

Julian Assange responde por 18 acusações:

1. Conspiração para violar a Lei de Espionagem: 10 anos.
2. Violação da Lei de Espionagem pela obtenção de arquivos da Base Naval de Guantánamo por Manning: 10 anos.
3. Violação da Lei de Espionagem pela obtenção de Cablegate [comunicações diplomáticas] por Manning: 10 anos.
4. Violação da Lei de Espionagem pela obtenção de registros da Guerra do Iraque por Manning: 10 anos.
5. Tentativa de receber e obter informações sigilosas: 10 anos.
6. Obtenção e recepção ilegal de arquivos de Guantánamo: 10 anos.
7. Obtenção e recepção ilegal de Cablegate: 10 anos.
8. Obtenção e recepção ilegal de registros da Guerra do Iraque: 10 anos.
9. Causar divulgação ilegal de arquivos de Guantánamo por Manning: 10 anos.
10. Causar divulgação ilegal de Cablegate por Manning: 10 anos.
11. Causar divulgação ilegal de registros da Guerra do Iraque por Manning: 10 anos.
12. Induzir Manning a comunicar, entregar e transmitir arquivos de Guantánamo: 10 anos.
13. Induzir Manning a comunicar, entregar e transmitir Cablegate: 10 anos.
14. Induzir Manning a comunicar, entregar e transmitir registros da Guerra do Iraque: 10 anos.
15. “Publicação pura” de Diários da Guerra do Afeganistão: 10 anos.
16. “Publicação pura” de Registros da Guerra do Iraque: 10 anos.
17. “Publicação pura” de Cablegate: 10 anos.
18. Conspiração para violar a Lei de Fraude e Abuso de Computadores (CFFA, em inglês): 5 anos.

O artigo Um encontro com Julian Assange na prisão apareceu pela primeira vez na Agência Pública.

Matéria de Responsabilidade da Apublica.org

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe um Comentário

Fechar
%d blogueiros gostam disto: