Curiosidade

Encontrados 139 novos “planetas menores” no nosso Sistema Solar

Mesmo com tecnologia de ponta para processamento de dados e capturas inéditas de imagens do universo, quando se trata de algo fora da Terra, não se sabe o quanto desconhecemos. Um estudo recente, por exemplo, identificou 139 “planetas menores” até então não detectados – e eles são praticamente, em termos astronômicos, nossos vizinhos.

A descoberta foi anunciada por um time de pesquisadores no periódico The Astrophysical Journal. Os cientistas, dedicados ao estudo da chamada matéria escura, que, por enquanto, sabe-se que pode ser percebida pela ação da gravidade que exerce, chegou a um catálogo de 245 descobertas por meio do levantamento óptico/infravermelho Dark Energy Survey (DES), sendo 139 delas inéditas.

Trata-se da primeira visualização desses objetos transnetunianos (TNOs, na sigla em inglês), localizados nos extremos do Sistema Solar e aos quais Plutão se juntou quando deixou de ser considerado um planeta.

(Fonte: Pixabay)(Fonte: Pixabay)

O estudo

O DES é um projeto colaborativo internacional que surgiu em 2013 para “mapear” o céu. Utilizando uma câmera digital de 520 MP instalada em um telescópio de 4 metros do Observatório Interamericano de Cerro Tololo, no Chile, trata-se de uma jornada para entender a natureza da matéria escura e a expansão do universo.

Inicialmente projetado para estudar galáxias e supernovas, a quantidade de informação obtida permitiu expandir as pesquisas para outros campos, como a detecção de objetos transnetunianos. Esses objetos são grandes o suficiente para que sua gravidade os molde em formato esférico, mas são muito semelhantes a outros tantos objetos próximos às suas órbitas – o que não os classifica nem como planetas nem como asteroides. Todos estão além de Netuno.

A tarefa, entretanto, não é simples. “O número de TNOs que se pode descobrir depende do espaço do céu observado e qual é mancha mais fraca que se pode encontrar nas imagens”, afirma Gary Bernstein, professor da Universidade da Pensilvânia e integrante da equipe. A análise levou em conta mais de 3 bilhões de pontos.

Pedro Bernardinelli, formado em física pela USP, aluno de doutorado da Universidade da Pensilvânia (EUA) e um dos líderes do estudo, complementa: “Pesquisas dedicadas à descoberta de objetos transnetunianos possuem seu método para identificar movimentos de um objeto, o que torna fácil o rastreamento. Uma das conquistas de nossos esforços foi descobrir uma maneira de refazer esses movimentos”.

Considerando que forças gravitacionais “estranhas”, das quais se desconhece a origem, intrigam cientistas, essa pode ser mais uma evidência de que existe, sim, a matéria escura – ainda que não a vejamos de maneira direta.

Encontrados 139 novos “planetas menores” no nosso Sistema Solar via TecMundo

Fonte: Mega Curioso

Mostre mais

Artigos relacionados

Deixe um Comentário

Fechar

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios