Suplemento alimentar feito com semente de seringueira será comercializado a partir de agosto

0
343

Manaus – Famosa nos livros de história, a seringueira (Hevea brasiliensis) viveu seu apogeu no século 19, no período conhecido como Ciclo da Borracha. Os tempos de riqueza proporcionados pela árvore são lembrados até hoje. Mais que lembranças do passado, pesquisadores do Amazonas pretendem começar um novo ciclo usando as sementes da seringueira para elaboração de produtos alimentares.

Intitulado “Endosperma da semente da seringueira Hevea Sp como complemento alimentar alternativo natural”, o projeto é coordenado pelo pesquisador Antônio Lucio Mota dos Santos no âmbito do programa Sinapse da Inovação, desenvolvido pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) em parceria com a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi). Endosperma é um tecido de armazenamento de nutrientes e está presente na maioria das plantas angiospermas.

Expectativa é que o consumidor tenha acesso ao produto natural a partir de agosto deste ano (Foto: Francisco Santos/Divulgação Fapeam)

O projeto inovador teve seu início a partir de questionamentos feitos pelo pesquisador e equipe sobre a dispersão das sementes em grandes quantidades. Com a problemática, os curiosos começaram a testar, experimentar e estudar de que forma a semente da seringueira poderia ser melhor aproveitada.

“Verificamos que não havia nenhum tipo de utilização dessa semente para nutrição humana. Surgiu a necessidade de descobrirmos a capacidade nutricional que a semente de seringueira tem e não está sendo usada. Quando fizemos as análises ficamos muito surpresos porque a semente tem as propriedades que nosso organismo precisa, como por exemplo, proteína, fibra, potássio, cálcio, ferro, magnésio e muitos outros nutrientes que fazem reposição que nosso organizado perde”, disse Mota.

Com a comprovação do alto valor nutricional da semente da seringueira, um nicho de mercado latente foi percebido pelo grupo empreendedor. Além do desenvolvimento do suplemento alimentar, eles deram início à criação de outros produtos criados a partir da semente e usaram os conhecimentos adquiridos na academia para validar os benefícios da produção.

“Nosso projeto utilizou a semente da seringueira, com aproveitamento de todos os benefícios, para fazer suplementação alimentar, barra de cereal, ração para peixes, além disso, temos outros subprodutos: os petiscos, que poderão concorrer com amendoim, e o óleo da semente, que poderá ser usado no segmento dos cosméticos e de navegação, como combustível”, ressaltou o pesquisador.

Benefícios do Sendinutri

Extraído do endosperma da semente da seringueira, o Sendinutri – suplemento alimentar vitamínico calórico proteico – não contém açúcar, corante e glúten. O suplemento pode reduzir o colesterol, triglicerídeos e ajudar nas funções cerebrais. O produto é destinado a pessoas debilitadas, hipertensos, diabéticos, pessoas com HIV, Parkinson e Alzheimer.

Comercialização

De acordo com o coordenador do projeto, o grupo empreendedor concluiu, no início deste mês, a primeira fase do programa Sinapse da Inovação com uma degustação dos produtos. O foco das próximas etapas será rotulagem e embalagem dos produtos. A expectativa é que a partir de agosto deste ano, o consumidor tenha acesso ao produto natural.

http://d24am.com/amazonia/ciencia/suplemento-alimentar-feito-com-semente-de-seringueira-sera-comercializado-partir-de-agosto/

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta