Quedas são a maior ameaça ao bem-estar dos idosos

0
46

São Paulo– O Brasil tem, hoje, 8,46% de sua população na faixa etária acima de 65 anos. Até 2030, a previsão é que esse índice seja de mais de 13%. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e mostram, ainda, que a expectativa de vida ao nascer – hoje, de 76 anos, em média – poderá chegar a 78,5 anos no final da próxima década. Com esse aumento, cresce também a atenção ao bem-estar de pessoas idosas. Evitar traumas causados por quedas é um dos principais fatores para isso e deve começar em casa.
Fraturas como as de quadril, além de limitarem a mobilidade e a execução de tarefas do dia a dia por longos períodos, podem, até mesmo, colocar em perigo a vida do paciente. Um levantamento publicado na Revista Brasileira de Ortopedia apontou índice de mortalidade de 23,6% entre pessoas com idade superior a 65 anos, internadas por esse problema.

“O risco de morte de uma mulher de 50 anos, por exemplo, após quebrar o fêmur, é o mesmo que se apresentaria caso ela tivesse câncer de mama. Isso se dá porque o corpo reage à fratura destinando seus recursos para resolver esse problema, o que pode descompensar outras funções do organismo, como a pressão e ventilação pulmonar e o desempenho do sistema imunológico”, explica Luiz Fernando Cocco, ortopedista e coordenador do Núcleo de Ortopedia do Hospital Samaritano Higienópolis, em São Paulo.

Com técnicas e protocolos modernos, hoje em dia um paciente que passa por cirurgia do fêmur volta a caminhar com apoio assim que acaba o efeito da anestesia e pode ter alta em 24 horas, desde que tenha condições clínicas estáveis – com boas funções renal, pulmonar e cardiovascular – e não apresente dor.

Foto: Divulgação

“A Medicina avançou para dar a essas pessoas a chance de retomarem suas atividades diárias no menor tempo possível, reduzindo o período de hospitalização. Mas os riscos de uma intervenção dessa importância não terminam na alta, já que podem haver novas quedas e outras complicações. Por isso, a prevenção desses traumas é o melhor caminho para garantir a qualidade de vida de uma população que está vivendo cada vez mais”, afirma Luiz Fernando.

Segundo o ortopedista, 90% dos acidentes que levam à fratura de ossos – 50% dos casos envolvem o fêmur – ocorrem em casa. Por isso, o médico lista, abaixo, as quatro principais dicas para adaptar as residências, de forma a minimizar as chances de queda:

Chão – Mantenha tapetes e fios elétricos fora do caminho, os pisos limpos – sem água ou gordura – e não use cera. No banheiro, utilize tapetes antiderrapantes no boxe e em frente à pia e ao vaso sanitário. Nas escadas, instale piso antiderrapante;

Iluminação – Utilize lâmpadas de 100 watts ou mais, em todos os cômodos, e tenha os interruptores em locais de fácil acesso, como cabeceiras, perto das portas e nas extremidades da escada. Sempre acenda a luz para ter acesso a um cômodo, mesmo que esteja muito familiarizado com o ambiente. Manter a luz do banheiro acesa durante a noite também pode ajudar;

Apoio para caminhar – Instale corrimão dos dois lados de corredores, escadas e vias de acesso de forma geral. No banheiro, utilize também barras de apoio no boxe e próximo ao vaso sanitário;

Armários – Guarde objetos, utensílios e roupas utilizados no dia a dia em armários até a altura da cintura – isso evita que seja necessário subir em algo para alcançá-los ou que o peso deles acarrete um tombo.

“Além de adotar esses cuidados, é importante fazer visitas regulares ao médico, para controle de doenças crônicas, exames de acuidade visual e auditiva, ajuste de medicação – quando necessário – e orientações sobre atividades que preservem a coordenação, a flexibilidade, a força e o equilíbrio”, completa o médico.

Comentários

comentários

https://correiodaamazonia.com/quedas-sao-maior-ameaca-ao-bem-estar-dos-idosos/

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta