Caratê tem atletas da capital e de Borba de olho em vaga na Olimpíada (Foto: Mauro Neto/Divulgação Sejel)

Manaus – A pouco mais de três anos para os Jogos Olímpicos de Tóquio (JAP), apenas duas das cinco novas modalidades incluídas no programa olímpico ganham força no Amazonas. Com atletas na Seleção Brasileira, o caratê sai na frente. Exemplo disso é que, no último final de semana, o atleta Ryan Cristian da Silva, de 15 anos, garantiu presença nos Jogos Pan-Americanos do ano que vem. Outra modalidade que cresce é o skate. As demais seguem sem tradição no Estado, como a escalada esportiva.

O Comitê Olímpico Internacional (COI) aprovou a inclusão do beisebol/softbol, caratê, escalada esportiva, skate e surfe. A princípio, as modalidades têm presenças garantidas apenas na próxima edição das Olimpíadas. Assim, o projeto japonês prevê o acréscimo de 18 competições, totalizando 472 atletas.

Com tradição no Estado, o caratê segue sendo o carro-chefe. De 2016 para cá, cinco atletas foram convocados para integrar a Seleção nacional. A mais recente convocação aconteceu nesta semana. Graças ao terceiro lugar conquistado no último final de semana, no Campeonato Sul-Americano, em Santa Cruz, na Bolívia, o atleta Ryan Cristian da Silva, representante da academia Fênix de Karate, de Borba (151 quilômetros ao sul de Manaus), garantiu presença na equipe nacional que participará dos Jogos Pan-Americanos, na Argentina.

A Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel) informou que vem dando suporte, com passagens aéreas. Desde 2016, o caratê já foi atendido com 25 bilhetes.

Campeonato Brasileiro de Caratê será disputado em Manaus, pela primeira vez na história

No período de 14 a 16 de julho, Manaus recebe, pela primeira vez, o Campeonato Brasileiro de Caratê. A competição reunirá mais de 600 atletas e serve de classificatória para o Pan-Americano e Seletiva Nacional para a Seleção.

Para o presidente da Federação Amazonense de Karatê (FAK), Washington Melo, o que falta no Estado é apoio de instituições privadas. “Eu, ultimamente, não posso deixar de falar que tenho conseguido apoio da Sejel. Mas quanto às empresas privadas, não conseguimos apoio. Temos atletas de ponta no Estado. Temos colocado atletas na Seleção Brasileira”, disse o cartola.

Porém, no último dia 23 de março, o DIÁRIO publicou que a delegação de Borba encontrou dificuldades para retornar ao município, após participar da Seletiva Nacional de Karatê, em Caruaru (PE). Sem dinheiro para as passagens de volta, o grupo teve problemas com hospedagem e alimentação e resolveram com a ajuda de um amigo.

Escolinhas descobrem radicais

No último Mundial de Skate, em janeiro deste ano, o Amazonas foi representado pelos atletas Rick (Gugu), Erick Flores e Adriano Barros. Além disso, outros atletas participaram das principais competições do circuito nacional.

Ponto de encontro dos praticantes, o Centro de Convivência da Família Magdalena Arce Daou, no Santo Antônio, zona oeste de Manaus, é palco de clínicas e eventos da modalidade. Workshops organizados pela Federação Amazonense de Skate Street Vertical (FASV) atendem a comunidade, que ainda pode usufruir do projeto ‘Skate Terapia’ (para pessoas com deficiência) e a Escolinha de Skate.

A Sejel disse que realizou e apoiou todas as etapas do Campeonato Amazonense de Skate, Campeonato Internato Magdalena e Campeonato da Escolinha de Skate, uma média de cinco etapas por ano, por cada evento.

Beisebol, softbol e escalada esportiva em passos lentos

Questionada sobre os projetos para o beisebol e softbol (modalidade feminina), a Sejel informou que atendeu a pedidos para o Campeonato de Beisebol, realizado na Colônia Japonesa, no Parque 10, zona centro-sul de Manaus.

Porém, vale lembrar que no Amazonas não existe federação da modalidade. Popular em países vizinhos como a Venezuela, o beisebol e o softbol caminham a passos lentos no Brasil. Apesar disso, na última semana, o jovem Eric Pardinho, de 16 anos, de São Paulo, foi contratado pela equipe americana Toronto Blue Jays, da Major League Baseball (MLB), principal liga dos Estados Unidos. Eric é considerado um dos jovens mais promissores de sua geração. Ele receberá um bônus de 1,5 milhão de dólares.

Outro esporte sem tradição no Estado é a Escalada Esportiva. A Sejel informou que não houve solicitação para a modalidade, seja apoio para eventos ou passagens aéreas.

O post Dois de cinco ‘novos’ esportes olímpicos em alta apareceu primeiro em D24am.

Fonte: http://d24am.com/esportes/dois-de-cinco-novos-esportes-olimpicos-em-alta/

SEM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta