Arthur Virgílio Neto palestra sobre gestão fiscal, no Rio de Janeiro

0
41

Manaus – O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, participará, na próxima segunda-feira (16), no Rio de Janeiro, como palestrante de um talk show, a convite da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), devido aos resultados positivos obtidos pela capital do Estado, no quesito de responsabilidade fiscal, após um estudo feito pela própria federação.

Entre os aspectos analisados pela Firjan e que colocaram Manaus como a capital brasileira que melhor atendeu as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal, em 2016 estão: controle das contas, investimentos e transparência dos gastos públicos. Em sua apresentação, o prefeito vai apresentar o ‘case Manaus’.

O prefeito Arthur Neto apresentará, na oportunidade, o ‘case Manaus’ (Foto: Alex Pazuello/Divulgação Semcom)

O evento é promovido pelo Sistema Firjan e a Comunitas, com apoio da Frente Nacional dos Prefeitos, e contará com a participação de prefeitos e secretários de Fazenda e Planejamento dos municípios do Rio de Janeiro. As palestras e oficinas abordarão as boas práticas e as soluções disponíveis para a crise fiscal enfrentada pelas cidades, a partir de exemplos nacionais e internacionais.

O seminário será realizado na sede da Firjan, de 9h às 18h, e também terá apresentações do prefeito de Niterói, Rodrigo Neves e de Paraty, Carlos José Gama Miranda. O economista-chefe do Sistema Firjan, Guilherme Mercês, vai detalhar os dados do Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF), e Raimundo Godoy, do Instituto Aquila, tratará do tema “Como Alcançar Excelência em Gestão na Área Pública”.

Destacando-se em primeiro lugar entre as capitais que melhor atenderam as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal, Manaus vai servir de exemplo da prática de boa gestão durante o evento. O estudo foi realizado pela Firjan e, no total, foram avaliadas as contas de 4.544 dos 5.570 municípios brasileiros. Desses, pelo menos, 2.091 prefeituras descumpriram exigências da lei de responsabilidade fiscal e 715 deixaram para seus sucessores um rombo de R$ 6,3 bilhões.

O IFGF é calculado com base na capacidade de geração de receita própria, os gastos com pessoal, os investimentos realizados, o custo da dívida e a quantidade de recursos em caixa, considerando os compromissos com restos a pagar.

http://d24am.com/economia/arthur-virgilio-neto-palestra-sobre-gestao-fiscal-no-rio-de-janeiro/

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta